We've updated our Terms of Use. You can review the changes here.

Íngreme

by Oruã

/
  • Streaming + Download

    Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.
    Purchasable with gift card

      name your price

     

1.
Dinorá 01:48
2.
Aluanda 01:20
Cada sentir Apreço ou não Medita o meu acreditar Caberá se manter o seu Eu jurei A marginalizar Tudo a render do auto bom senso De uma transformação só Talvez de outro horizonte
3.
Obrei Orei 02:40
Obrei do lar a perdoar Tomei do mar a meu banhar Ambiguidade Forma preciosa dô valor Orei do mar atenuar Sina cobre de ouro o meu ganhar Ambiguidade Forma preciosa dô valor
4.
Eucalypsus 03:56
Má situações atar Adverso a assombrações Rasas de sonho à cada terço morto a coroar Enalteço preto a povoar Atravesso acordo
5.
A vida é uma lição rupturas ondas outras direções a almejar A espíritos demais duras ambições irão atrás de outras direções E num dia de ouro acordou Me abraçou de longe acenou Au revoir
6.
Cravina Flor 03:52
Amanhã a de entre tudo a de acordar Me atento a dinheiro, mas não dou pra amargurar A solidão vai te atrasar de má Não há dinheiro que faça amor cravar Não há dinheiro que faça amor A solidão vai te atrasar de má A solidão vai Não há dinheiro que faça amor cravar Não há dinheiro que faça amor A solidão vai te atrasar de má A solidão vai
7.
8.
Beira mar crescente cresça A morar a cabeça Quente mais que te esqueça A coragem, a certeza Medo andar Recentemente a caber Encolhe mais segue Cura arder os anos Recentemente a crescer A calma acontece Medir a casa inteirar Bem que mar desapareça A coragem, a certeza Cresça mais que a correnteza
9.
Slowmotion 07:08
Soma assaltos juras imperar De redes brutas problematizar Só louco atrás de tantos ancestrais Conjurações Horas de mar
10.
Fera do mato Estrela da sorte Conforme a duração dourar Cria de ouro A coragem corta Da crua invocação tardar Horas de ouro são Horas de outros são Horas de ouro são Horas de outros santos
11.
Eluar 02:58
Eluar de imensidão mistério a doará Tanto de libertação a ponto curar dos seus E que me torna amadurar E o que me adiei Não me adiará Num feriado santo Sonhei
12.
Vai te dar a linhagem como a dor contrapor Encontra a criagem pra sabor como a dor Diamante nasce como a dor com valor No plena magoar cabô do amor amargor No plena magoar cabô do amor acordô
13.
Osíris 00:37
Ganhos de santo se admira Andanças de porta agora vem me rondar

about

Oruã nasceu no centro do Rio de Janeiro no fim de 2016, virando a esquina do golpe parlamentar que encerrou pra muita gente alguma crença na nossa democracia. Gravações em fitas cassetes velhas feitas na sala apertada do Escritório no meio da cidade renderam dois discos e um EP muito representativos da atmosfera que pairava no final da última década: “Sem Benção / Sem Crença” (2017), “Romã” (2019), e o EP “Tudo Posso” (2019) foram todos lançados no Brasil via Transfusão Noise Records e nos EUA via IFB Records.

Em 2018, ano de eleição e da greve dos caminhoneiros, o Oruã cruzou o país e atravessou fronteiras. Através de um número grande de cidades, capitais e do interior, a banda viajou para fora do Rio de Janeiro mais intensamente, para além do habitual eixo Rio-São Paulo. Pegando a BR-101 chegaram à Natal, cortaram a Bahia e depois, desceram, até ao Uruguai percorrendo também o sul do país. Nessa viagem de carro emprestado, “Romã” estava sendo gestado.

No ano seguinte, em 2019, Oruã fez a sua a primeira turnê pelos Estados Unidos e pela Europa, abrindo os shows do Built to Spill. Logo em seguida, ao mesmo tempo que Oruã saía do palco, dois terços da banda carioca, Lê Almeida e João Luiz, retornavam ao “stage” para compor a versão brasileira de Built to Spill junto com João Casaes (hoje, em 2021, Casaes integra a composição mais recente do Oruã).

Na sequência, em meados de 2019, faltando menos de um ano para o futuro decreto mundial da pandemia, sem nem sonhar com o isolamento social que aconteceria, Oruã entra em sua segunda turnê internacional, a primeira pela Europa, tocando em casas de shows como a O2 Forum, em Londres, e o Rockefeller Music Hall, em Oslo, emendando em seguida com uma segunda tour pelos EUA totalizando em aproximadamente 70 shows feitos até o meio daquele ano. No segundo semestre, Lê, João Luiz e J.C. seguiram o restante da turnê do Built to Spill pelos EUA tocando somente na banda norte-americana até o fim do ano.

Nesse período, o baterista Phill Fernandes deixava o Oruã. Karin Santa Rosa (que já tinha registrado duas grandes tours de carro do Oruã: uma para o Nordeste e outra para o Sul do país) passou a fazer parte da banda enquanto Lê, Casaes e João Luiz ainda estavam na estrada com o Built to Spill. Ela, que ainda não tocava de fato bateria, passou um tempo praticando para compor a versão mais recente do Oruã que contaria com duas baterias, como no início. Depois do fim da tour do BTS, de 2019, João Luiz também deixa o Oruã e volta para o Brasil. Lê e J.C. ficam em Boise (EUA) gravando o novo álbum do Built to Spill e, em paralelo, começam a desenvolver um novo Oruã.


“Comecei a gravar esse disco em 2019, ano em que minha vida deu uma sacudida gigante. Estava em uma enorme turnê tocando bateria com o Built to Spill, banda que passei uma boa parte da minha vida ouvindo muito e em nenhum tipo de sonho eu me imaginaria fazendo parte.
No meio da tour com o BTS eu fui juntando uma série de gravações, coisas que foram nos dando caminhos. Dessas faixas fomos arrumando a nova formação. Daniel Duarte que tinha tocado no primeiro disco retornou à banda que voltava a ter duas baterias. Bigú Medine passou a tocar o baixo e J.C. assumiu os synths, mpc e arranjos. A base do íngreme existiu antes de virmos morar em Búzios, mas foi morando numa região mais calma e verde que o diamante foi lapidado com carinho e dedicação. Esse foi primeiro disco que mixei num notebook. Os anteriores foram feitos em fita cassete.
Algumas bases foram gravadas nos EUA, como “Aluanda” e a primeira parte de “Cravina Flor”. A grande maioria foi gravada em Búzios, nas Emerências.
As letras em sua boa parte versam, refletem e propõem o pensar sobre algumas diferenças… sociais e raciais. Algumas com visão de perspectivas diferentes e um mundo melhor e outras mais brabas quase maldições ou preces, no geral é pro moral levantar.”


Como numa fotografia, as gravações do Oruã registram através do som e da letra, o momento. Como nenhum outro grupo musical brasileiro faz atualmente, transformam em potência, em obra rica, os obstáculos vividos. Também como numa fotografia, o registro sonoro possui seu recorte temático, não se encerra apenas naquilo que está emoldurado e, ainda, diz bastante sobre o ponto de vista (visão e origem, ao mesmo tempo) de quem cria. Se prestarem atenção, está tudo ali.

O retrato sonoro da caminhada íngreme vai se desdobrando em outras paisagens – mais verdes, percussivas e espirituais, enquanto desbravam pela primeira vez um estilo de vida diferente. Nada a ver com tranquilo, mas um estilo de vida de fato independente. Livre. Crescido nas adversidades, filho de uma década turbulenta, Oruã não teme. Em 2021, após cinco anos de atividade, depois de percorrer as mais variadas estradas, a banda não esquece do que e de como a caminhada foi feita ao mesmo tempo em que agradece. É, finalmente, o momento da colheita.

credits

released October 29, 2021

Capa por Gustavo Pires
Gravado e mixado por Lê Almeida e João Casaes
Masterizado por Daniel Duarte no Estúdio Terra
JC fez “Dinorá”, “Essência Bruta” e “Declive Interlúdio”; + baixos e synths em “Aluanda” e “Cravina Flor”; synths e inserts em “Obrei Orei”, “Eucalypsus”, “Cavalo Branco” e “Eluar”; e synths e bateria em “Slowmotion”.
Bigú toca baixo e faz os backings em “Aluanda”, “Obrei Orei” e “Eluar”; + baixos em “Eucalypsus”, “Cravina Flor”, “Cavalo Branco” e “Slowmotion”; metalofone em “Interlúdio Declive”
Daniel e Karin tocam bateria em “Eucalypsus” e “Eluar”. Daniel toca bateria também em “Obrei Orei” e “Cravina Flor”.
Lê toca guitarras, algumas baterias, teclas, percussões e canta.
Participações de Felipe Oliveira (trompete e backings), Zozio (bateria) e Alexander Zhemchuzhnikov (sax) em “Cavalo Branco”. Bruno Menezes (triangulo) em Eluar

Press Release por Rayi Kena


our
NOISE
full

TNR.108

www.transfusao.com

license

tags

about

Transfusão Noise Records Rio De Janeiro, Brazil

Brazilian DIY label. Since 2004

contact / help

Contact Transfusão Noise Records

Streaming and
Download help

Redeem code

Report this album or account

Transfusão Noise Records recommends:

If you like Íngreme, you may also like: